Cupins

Os cupins são insetos conhecidos pelo hábito de se alimentarem preferencialmente de celulose, atacando papéis, livros, estruturas de madeira, ou qualquer outro material derivado deste composto (polímero). Os cupins existem na Terra há muito mais tempo que o próprio homem. Restos fossilizados destes insetos já foram encontrados em formações geológicas datadas de 55 milhões de anos. Durante todo este período, os cupins têm desempenhado um papel fundamental na natureza, na decomposição de matéria orgânica, contribuindo para a incorporação de nutrientes e fertilidade do solo. No entanto, desde que o homem começou a construir habitações e outras estruturas de madeira, é que se conhecem os danos causados por este inseto. É interessante frisar, porém, que existem muitas espécies de cupins e sua fonte de alimento pode variar bastante – existem cupins que comem raízes de plantas ou fungos, por exemplo. Assim, é importante saber identificar a espécie a ser controlada, diferenciando cupins que não causam prejuízos ao homem (úteis na manutenção da cadeia alimentar na natureza) dos cupins que causam danos ao patrimônio privado, histórico ou cultural do homem. Os cupins são insetos sociais, sendo que na colônia os indivíduos têm características morfológicas diferentes, em função das atividades que desempenham na colônia. Resumidamente, existem 3 castas de cupins: – Alados: responsáveis pela formação de novas colônias e pela reprodução. Depois da revoada, os reprodutores alados perdem as asas e, aos pares, formam novas colônias; – Soldados: responsáveis pela segurança e proteção da colônia; – Operários: constituem a grande maioria da colônia por serem responsáveis pela manutenção da colônia, incluindo diversas funções como alimentação, limpeza, construção, etc. O clico de vida dos cupins é composto das fases de ovo, ninfa e adulto, sendo que as ninfas sofrem diversas mudanças até tornarem-se adultos. No estágio de ninfa, é definida a função que o indivíduo terá para a colônia. Os indivíduos tornam-se operários, soldados ou reprodutores em função da necessidade da colônia. Curiosidades Os cupins têm sensibilidade à luz, por esse motivo algumas espécies construírem túneis para caminhar em busca de alimento. cupins-de-madeira-secaCupins de Madeira Seca Os cupins de madeira seca são cupins que vivem em madeiras com relativamente baixo teor de umidade. Eles não necessitam ter contato com o solo ou com outra fonte de umidade. A própria madeira e o ambiente em que vivem provêem a umidade que necessitam para sobreviver. Por viverem dentro da madeira seca, eles são frequentemente transportados de um local para outro em móveis infestados, caixas ou “containers” de madeira, estrados de madeira, molduras de quadros, etc. O cupim de madeira seca economicamente mais importante no Brasil é o Cryptotermes brevis, chamado popularmente de cupim de madeira seca, é um cupim que encontra-se normalmente restrito à peça atacada. Ele não tem capacidade de passar de uma madeira infestada para outra a não ser que efetivamente exista um ponto de contato entre ambas as madeiras. Portanto, ao consumir toda a madeira que o abriga, a colônia está condenada a morte. Assim como a vida útil da colônia está ligada à duração da fonte de alimento, o tamanho da colônia também se relaciona ao tamanho da peça atacada. Entretanto, o pequeno tamanho da colônia é compensado pelo grande número de colônias que podem ser encontradas em uma determinada estrutura. Periodicamente, por causa do acúmulo de fezes, os cupins as eliminam sob a forma de uma “chuva” típica. As fezes se acumulam, assim, logo abaixo do orifício de eliminação, ao longo da peça atacada. Este é o mais típico sinal de infestação por cupins de madeira seca. Após a eliminação das fezes, o orifício formado (de formato circular com diâmetro de cerca de 1-2 mm) é então novamente fechado. Cupins Subterrâneoscupim-subterraneo Os cupins subterrâneos são assim denominados por construírem seus ninhos no solo. De fato, estes cupins também podem construir seus ninhos em vão estruturais, como: caixões perdidos em edifícios, vãos entre lajes, paredes duplas, ou qualquer outro espaço confinado que exista em uma estrutura, seja ela uma residência, indústria ou comércio. Por esta razão, o termo cupim subterrâneo não é o mais correto quando se trata deste grupo de cupins. No entanto, seguiremos essa denominação em função da sua universalidade (em inglês este grupo de cupins é chamado de “subterranean termite”) e da familiaridade do termo entre pesquisadores da área. Uma manifestação visível dos cupins subterrâneos são os túneis de terra, que são compostos por fezes e são utilizados para os cupins se deslocarem, protegidos da luz. Ao contrário dos cupins de madeira seca, os cupins subterrâneos podem transitar em outros meios que não a madeira, na busca por alimento. cupim-arboricolaCupim Arborícola Os cupins genericamente chamados de arborícolas mais comumente encontrados no Brasil são da espécie Nasutitermes e tem distribuição mundial, sendo um dos mais ricos em espécie. Normalmente ocorrem em áreas próximas a matas, cerrados e caatingas e dependendo da espécie constroem também ninhos epígeos (no nível do solo). A alimentação dos cupins arborícolas se constitui de materiais a base de celulose, o que inclui troncos de árvores na natureza e madeiramento em estruturas no ambiente urbano. Dentro de estruturas, estes cupins atingem vigas internas dos telhados e sótãos. Seus caminhos podem ser vistos pelas paredes e são semelhantes aqueles feitos pelos cupins subterrâneos. O controle destes cupins compreende a identificação do local onde os ninhos se encontram e a sua retirada. Muitas vezes os ninhos não estão na residência, podendo se encontrar em alguma árvore nas proximidades.

Entre em contato e solicite um orçamento

Clique aqui